terça-feira, 10 de janeiro de 2012

2012 - ARTE, CULTURA E DIVERSÃO

Em 2012, estamos preparando muita diversão para os apaixonados por teatro. várias oficinas estarão acontecendo na região de Adamantina-SP e vc poderá acompanhar a programação por aqui. Melhor tudo grátis e tudo isso pelo apoio das Prefeituras Municipais e da Secretaria de Estado da Cultura. Não fique de fora!

Acontece também em 2012 Curso de Formação Continuada aos professores de Arte da Rede Estadual de Educação coligados pela DER Adamantina-SP, e o tema é claro foi o mais votado pelos professores,  "Graffitti" com carga horária de 32 horas.

Previsto para Irapuru-SP - continuação da Oficina de Teatro, Cenário e Figurino em montagem ao Espetáculo "A ver Estrelas" iniciado em novembro de 2011 pelos jovens de Irapuru-SP com a minha coordenação (Marcos Scarabello) e do Prof. Cleverson Silva. Aguardem inscrições com data prevista para Março/12.

domingo, 27 de setembro de 2009

ÁGUA! QUE FALTA FAZ!

Este foi o tema da Festa do Livro do Colégio Anglo-Cid em Dracena-SP. Pelo 5º ano consecutivo, escrevo um texto dramático para meus alunos de Teatro do 2ºano do Ensino Fundamental. Este projeto é da professora Natália Regina da Palma e sou colaborador desde então. O Projeto consiste em promover o bom gosto pela leitura e é trabalhado em sala o ano todo de forma multidisciplinar. A escritora Zuleika de Almeida Prado, mantenedora do Clube do Livro dos 6 aos 16, com sede própria em Junqueirópolis-SP, cidade onde resido, participa ativamente desde 2005. O livro adotado sempre traz um escritor(a) para a escola e é este livro que tenho como temática para a produção do texto dramático. Sempre focando nas personagens as caracteristicas de cada aluno, pois escrevo imaginando as cenas feitas por eles. O resultado é uma peça infantil cheia de confusões históricas, uma mistura do real com as passagens dos contos infantis mais populares. Produzir o espetáculo não consiste em apenas escrever e ensaiar. Uma equipe de colaboradores entre pedagogos, coordenadores, professores, departamento de eventos, som, luz, enfim, um suporte que é possivel devido a instituição na qual o colégio Anglo de Dracena faz parte (FUNDEC)- Fundação Dracenense de Educação e Cultura. Espetáculos que já foram produzidos por mim e colaborados com os livros da Zuleika: O Rei Pelado das Fitas Coloridas(2005) - Nosso Folclore Brasileiro (2006) -Se a Natureza Falasse (2007)- Era uma vez! (2008)- Água! Que falta Faz! (2009). Para saber mais acesse: http://www.fundec.edu.br/noticias.php?cod=470 - Os textos tem os seus direitos reservados.

sábado, 25 de julho de 2009

ARTE EDUCAÇÃO



A aprendizagem artística trabalhada em sala de aula tem como função desenvolver no aluno a competência para criar, interpretar e refletir sobre a arte. Este texto, de Rosa Iavelberg faz uma reflexão sobre a ARTE na sala de aula, o ensinar a ARTE e o papel do mediador em relação ao seu compromisso com os alunos. Rosa Iavelberg é doutora em Arte-Educação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP). Coordenou e elaborou os Parâmetros Nacionais Curriculares do Ensino Fundamental de 1a a 4a séries.


A educação em arte ganha crescente importância quando se pensa na formação necessária para uma adequada inserção social, cultural e profissional do jovem contemporâneo. Ela imprime sua marca ao demandar um sujeito da aprendizagem criador, propositor, reflexivo e inovador. Se hoje o aluno deve ser formado para enfrentar situações incertas e para resistir às imposições de velocidade e de fragmentação que caracterizam a contemporaneidade, a arte pode colaborar e muito. Na construção da identidade artística das crianças e dos jovens que freqüentam as escolas, os professores têm um papel significativo. Sua colaboração é ainda maior quando sabem respeitar os modos de aprendizagem e dedicar o tempo necessário a fornecer orientações e conteúdos adequados para a formação em arte, que inclui tanto saberes universais como aqueles que se relacionam ao cotidiano do aluno. É o professor quem promove o fazer artístico, a leitura dos objetos estéticos e a reflexão sobre a arte, de modo que o aluno possa se desenvolver como um sujeito governado por si próprio ao mesmo tempo em que interage com os símbolos da cultura. Além de debater os conteúdos específicos da área, o professor deve estar atento para o temperamento de cada aluno, observando suas ações e individualidade. Ou seja, na formação em arte o plano da subjetividade dialoga permanentemente com as informações e orientações oferecidas pelo professor. Acolher e exigir são os pólos da oscilação pendular, que representa os movimentos do professor nas orientações didáticas em arte. Dessa forma, são
criadas as condições para que o aluno sinta-se bem ao manifestar seus pontos de vista e mostrar suas criações artísticas na sala de aula, além de favorecer a construção de uma imagem positiva de si mesmo como conhecedor e produtor em arte. Assim, fazem parte do conjunto de ações desenvolvidas pelo professor nessa área: orientar os processos de criação artística oferecendo suporte técnico, acompanhando o aluno no enfrentamento dos obstáculos
inerentes à criação, ajudando-o na resolução de problemas com dicas e perguntas e fazendo-o acreditar em si mesmo; propor exercícios que aprimoram a criação, informando-o sobre a História da Arte; promover a leitura, a reflexão e a construção de idéias sobre arte e ainda documentar os trabalhos e textos produzidos para análise e reflexão conjunta na sala de aula.
Cada imagem, cada gesto, cada som que emerge nas formas artísticas criadas em sala de aula têm grande importância, uma vez que se referem ao universo simbólico do aluno. Portanto, exigem a atuaçãoprecisa do professor, o planejamento do tempo, a organização do espaço e a atenção aos processos de comunicação, tanto entre professor e aluno como entre os colegas de classe. Uma aprendizagem artística assim percorrida deixará marcas positivas na memória do aprendiz, um sentimento de competência para criar, interpretar objetos artísticos e refletir sobre arte sabendo situar as produções. Além disso, o aluno aprende a lidar com situações novas, inusitadas e incorpora competências e habilidades para expor publicamente suas produções e idéias com autonomia. Isso não significa que arte promova a auto-estima num passe de mágica, pela simples afirmativa de que tudo o que o aluno faz e pensa em arte é ótimo.

"Na construção da
identidade artística das
crianças e dos jovens que
freqüentam as escolas, os
professores têm um papel
significativo".


Cada um se sentirá confiante em relação a sua arte à medida que aprender efetivamente, atendendo aos três eixos de aprendizagem significativa: fazer, interpretar e refletir sobre arte, sabendo contextualizá-la como produção social e histórica. Dominar os processos de criação em arte, construindo um percurso cultivado, ou seja, informado pela cultura requer um professor orientador, que incentiva a produção, ensina os caminhos da criação e solicita do aluno envolvimento e constância. O apoio do professor, por sua vez, é alimentado pela sua atualização permanente, necessária para se ter familiaridade com o universo procedimental da arte. Também as leituras de objetos artísticos, outra competência que promove a imagem positiva do aprendiz, devem ter papel destacado na sala de aula, porque além de cumprirem o papel de
formação cultural, conectam a aprendizagem escolar ao patrimônio cultural. A instância de formação escolar integrada à produção social da arte é um aprendizado para a participação
do jovem na sociedade. Ao atribuir e extrair significados das produções de críticos, historiadores da arte, jornalistas, artistas, filósofos, com a mediação do professor, os jovens compreendem
e se situam no mundo como agentes transformadores.



"Cada imagem, cada gesto,
cada som que emerge nas
formas artísticas criadas
em sala de aula têm
grande importância, uma
vez que se referem ao
universo simbólico
do aluno".



Nesse percurso de construção de saberes, cadaaluno fará escolhas com liberdade e discernimento, o que caracteriza os processos de criação em arte e de aprendizagem autoral. Será, sim, influenciado pelas culturas, mas contará com traços propositivos e transformadores, próprios dos modos de continuar aprendendo sempre e por si, dentro e fora da escola, renovando-se em contato a diversidade de manifestações artísticas que revelam o movimento contínuo da arte e do conhecimento. A vida cultural pode (e deve) transitar pela escola. A visita a feiras e ateliês, mostras da cidade, apresentações de dança, teatro e música tem o objetivo de estabelecer a comunicação permanente entre o que se estuda e a cultura em produção, além dos estudos referentes à História da Arte. Um aluno preparado para o futuro é aquele que acompanha seu tempo, ancorado em uma sólida formação. Nesse aspecto, a arte é, sem dúvida, uma base imprescindível por incluir as formas simbólicas que dizem respeito à humanização de todos os tempos e lugares.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
BOSI, Alfredo. Reflexões sobre a arte. São Paulo: Ática, 1985.
COLL, C. & MARTÍN E. & MAURI, T. & MIRAS, M. &
ONRUBIA, J. & SOLÉ, I. & ZABALA, A. O Construtivismo
na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.
FERRAZ, Maria Heloisa C. T. & FUSARI, Maria F. R. Arte
na educação escolar. São Paulo: Cortez, 1992.
FERNANDO, Hernandez & VENTURA, M. A organização
do currículo por projetos de trabalho. Porto Alegre:
Artmed, 1998.
IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender Arte: sala de
aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.
________________. Material didático como meio de formação
– criação e utilização. In: Educação com arte/série
Idéias 31. São Paulo: FDE, 2004.
Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino
Fundamental, MEC/SEF, 1997.
ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar.
Porto Alegre: Artmed, 1998.

domingo, 5 de julho de 2009

CULTURA POPULAR



Legenda:Corpo docente do Curso de Artes e alunas do 1º Termo/2009- Unifadra- Dracena-SP.


Sob coordenação do prof. Esp. Marcos Scarabello, alunos do curso de Educação Artística (Artes) resgataram tradições na disciplina de Cultura Popular.Segundo Scarabello, a disciplina tem como objetivo abordar os principais conceitos de “cultura” e suas dimensões popular, tradicional/folclórica e erudita. A disciplina também prioriza o entendimento da formação da sociedade brasileira a partir de suas matrizes étnicas: indígena, européia, africana e oriental na formação do povo brasileiro, através de uma abordagem histórico-sócio-antropológica.Segundo a coordenadora do curso, profa. Ms. Daniela Macário, o trabalho dos alunos, sob coordenação do professor, superou todas as expectativas. Os acadêmicos não mediram esforços para realizar as atividades com profissionalismo. Os participantes e convidados puderam comprovar isso visitando as apresentações que envolveram a exposição dos resultados das pesquisas realizadas, confecção de trajes típicos, mostra de objetos, entre outros. A cada apresentação, todos os participantes puderam degustar as delícias de cada continente explorado.Scarabello ressaltou que “a disciplina Cultura Popular na grade curricular perfaz o conhecimento explorando e contribuindo para a diversidade e desfazendo os estereótipos que acontecem nas questões raciais sociais quanto ao preconceito, uma vez que nossos alunos levarão todo este conhecimento para a sala de aula como futuros professores”.


sexta-feira, 5 de junho de 2009

DIA MUNDIAL DO MEIO AMBIENTE

legenda: Alunos da 5ª série da EE. Profº "José Edson Moyses" Irapuru-SP - Saudação e agradecimento a Natureza.


No dia 05 de junho comemora-se o dia do meio ambiente.
A criação da data foi em 1972, em virtude de um encontro promovido pela ONU (Organização das Nações Unidas) a fim de tratar assuntos ambientais, que englobam o planeta, mais conhecido como conferência das Nações Unidas. (Ano do meu nascimento, rssss). Pois bem, essa conferência reuniu 113 países, além de 250 organizações não governamentais, onde a pauta principal abordava a degradação que o homem tem causado ao meio ambiente e os riscos para sua sobrevivência, onde a diversidade biológica deveria ser preservada acima de qualquer possibilidade. É o que procuro motrar aos meus alunos com idades diversas. Nessa reunião, criaram-se vários documentos relacionados às questões ambientais, bem como um plano para traçar as ações da humanidade e dos governantes diante do problema.
A importância da data é devido às discussões que se abrem sobre a poluição do ar, do solo e da água; desmatamento; diminuição da biodiversidade e da água potável ao consumo humano, destruição da camada de ozônio, destruição das espécies vegetais e das florestas, extinção de animais, dentre outros. Hoje existem várias ong's que tratam deste assunto.
A partir de 1974, o Brasil iniciou um trabalho de preservação ambiental, através da secretaria especial do meio ambiente, para levar à população informações acerca das responsabilidades de cada um diante da natureza.
Mas em face da vida moderna, os prejuízos ainda estão maiores. Uma enorme quantidade de lixos é descartada todos os dias, como sacos, copos e garrafas de plástico, latas de alumínio, vidros em geral, papéis e papelões, causando a destruição da natureza e a morte de várias espécies animais.
A política de reaproveitamento do lixo ainda é muito fraca, em várias localidades ainda não há coleta seletiva; o que aumenta a poluição, pois vários tipos de lixos tóxicos, como pilhas e baterias são descartados de qualquer forma, levando a absorção dos mesmos pelo solo e a contaminação dos lençóis subterrâneos de água. Atualmente já gastamos com água mineral, vendida em garrafões de 20L. É importante que a população seja conscientizada dos males causados pela poluição do meio ambiente, assim como de políticas que revertam tal situação. O uso de sacolas biodegradáveis em lugar de sacolinhas plásticas, canecas individuais em lugares públicos, são algumas das medidas. E cada um pode cumprir com o seu papel de cidadão, não jogando lixo nas ruas, usando menos produtos descartáveis e evitando sair de carro todos os dias. Se cada um fizer a sua parte o mundo será transformado e as gerações futuras viverão sem riscos. Acesse estes sites relacionados e comece desde já com sua participação! Você levaria sacola ao supermercado? rssssssss....

quarta-feira, 3 de junho de 2009

PROJETO "ANGLO-RECICLA"





Meus alunos do Ensino Fundamental ciclo I - (4º e 5º ano) do colégio Anglo-Cid (Dracena-SP) que tem como Instituição Mantenedora a Fundação Dracenense de Educação e Cultura - FUNDEC- finalizaram no dia 02 de junho de 2009 o Projeto: "ANGLO-RECICLA" que teve como finalidade a conscientização sobre o reaproveitamento de materiais recicláveis, a economia no consumo de água e energia elétrica, a sustentabilidade e o aprendizado em reciclagem de papel. Em minha aulas de Artes e nas aulas de Ciências da profª Vera Lúcia, pudemos trabalhar tópicos importantes sobre as ações deste projeto. O resultado foi o interesse e prazer que nossos alunos tiveram em levar essas informações para a comunidade dracenense de forma consciente e direta, sobre a importancia que cada um de nós temos em colaborar com o meio-ambiente. Uma pesquisa revela que 70% do que compramos para consumo próprio e familiar é LIXO. O aumento do lixo individual é grande quando se trata da quantidade de embalagens que são descartadas (copos plásticos a cada vez que bebemos água e café em lugares públicos, sacolas de supermercados, pratos e talheres em festas e comemorações, etc...) diariamente. Um dos objetivos do projeto teve como foco o reaproveitamento destas embalagens com criatividade e claro, através da ARTE e suas inúmeras ténicas, em objetos artesanais e utilitários. A pesquisa se estendeu durante as aulas de Ciências com temas sobre o solo, a água, energia elétrica, sustentabilidade e meio-ambiente. Veja mais no site da Fundec - http://www.fundec.edu.br/noticias.php?cod=358

sábado, 23 de maio de 2009

"JUNTOS NO BAIRRO"

Domingo (17 de maio), no período da manhã, ocorreu no Centro Comunitário do Jardim Brasilândia, o primeiro encontro do programa “Juntos no Bairro”, realizado pela Fundação Dracenense de Educação e Cultura (Fundec) em parceria com a Comissão Organizadora das Associações de Bairros de Dracena. Foram oferecidos serviços nas áreas de saúde, cultura, recreação e esporte com a participação dos estudantes de todas as unidades escolares mantidas pela Fundação. Outra novidade foi uma peça teatral coordenada pelo professor do curso de Artes da Unifadra Marcos Scarabello, que deu ênfase à importância da qualificação profissional e à continuidade nos estudos.Houve também uma palestra com o professor Jeisson Ferrari. “Todos os serviços foram oferecidos gratuitamente à população e nossa proposta é estreitar nosso contato com a comunidade”, disse Edson Kai, diretor executivo da Fundec. Ocorreram as seguintes atividades: aferição de pressão arterial, orientações sobre o malefício do álcool e do fumo, cálculo de índice de massa corpórea, testes de orientação vocacional, triagem psicológica, dinâmicas de grupo, terapia comunitária, gincana da família, atividades esportivas, orientações sobre reciclagem de lixo doméstico e reaproveitamento de óleo, jogos pedagógicos, soletrando, pintando com as mãos, exposição de componentes eletrônicos, softwares educativos, vídeos de curta duração e exposição de coleções de animais e plantas.Os organizadores agradeceram o apoio da Prefeitura Municipal de Dracena, Polícia Militar, Emdaep e dos integrantes da Associação dos Moradores do Jardim Brasilândia que ajudaram a realizar o evento. Está marcado para o dia 21 de junho o segundo encontro do programa no Emílio Zanata.
http://www.fundec.edu.br/

quinta-feira, 23 de abril de 2009

PROCESSO DE CRIAÇÃO EM DANÇA

As minhas 7ªs. séries da EE."José Edson Moyses de Irapuru-SP, experimentaram após um estudo sobre o método da "Labanotação" o processo de criação em Dança pelos territórios da Dança e do teatro. Partimos de uma única temática, já que é assim que os grandes coreógrafos fazem para a criação de suas obras. O tema "Água" ficou em destaque e cada grupo pode mostrar como realizaram o processo criativo e colaborativo. Interessante saber sobre: - Rudolf Von Laban _(*Bratislava,1879 - +Inglaterra, 1958), dançarino, coreógrafo, educador, dedicou sua vida a sistematizar e conhecer a linguagem da dança em seus diversos aspectos: criação, notação, apreciação e educação.
A importância dos trabalhos de Rudolf Laban nas áreas de arte, psicologia, educação, arquitetura já são de reconhecimento universal. Centros universitários, de arte, de educação e companhias de dança na Inglaterra, Estados Unidos, França, Canadá, entre outros, já adotam e trabalham com os referenciais de Laban há pelo menos meio século.
No Brasil, Laban ainda é tido primordialmente como educador, carecendo ainda de um olhar sob a perspectiva da arte, da criação estética e da linguagem da dança. A abordagem da dança sob uma perspectiva labaniana permite ao artista e ao leigo compreender, desconstruir e transformar a arte da dança em seus aspectos coreográficos, técnicos e de fruição.
Tendo desenvolvido seus trabalhos na área de dança na primeira metade do século XX, é mister que hoje sua visão e idéias sobre a dança sejam rediscutidas e relidas sob uma perspectiva contemporânea. Desse modo, o trabalho de Laban não se perderá no passado e poderá contribuir para a dança do presente e do futuro. Enfim, todos os grupos puderam vivenciar esta experiência em dança seguindo suas etapas no processo de criação: 1)-Temática 2)-movimentos 3)-influências do cotidiano escolar 4)-Planos: baixo, médio e alto - 5)-Rítimo 6)-Relação suporte com a materialidade (objetos cênicos). Aqui, mostramos um trecho dos ensaios como resultado parcial do estudo e da aprendizagem . Arte... aprende-se na prática, no incentivo e no fazer junto (relação: professor e aluno x troca de experiências)... Obrigado meus alunos das 7ªs. séries. - (video - Ensaio de um dos grupos - "Street School" - alunos da 7A- José Edson Moyses - Irapuru-SP)

video